Formação Cidadã na Roda da Capoeira

Postado em Atualizado em

Manifestações afro-brasileiras podem contribuir para a educação.

capoeira

Criada pelos escravos africanos no Brasil, a capoeira, misto de arte e luta, tem recebido cada vez mais adeptos. Nas escolas, entretanto, ela aparece de forma tímida, geralmente, nas aulas de História, quando o assunto é escravidão. Nas aulas de Educação Física, futebol, vôlei, queimada e handebol ainda têm prioridade. Mas a inserção da capoeira, tanto como prática quanto como estudo, e de outras manifestações afro-brasileiras no universo escolar tem sido discutida.

Foi, inclusive, tema de palestra ocorrida na FaE/UFMG, durante o I Seminário A Chamada da Capoeira Angola que, no último mês de outubro, reuniu mestres da cultura popular e da universidade, estudantes e comunidade. O seminário, organizado pela Associação Cultural Eu Sou Angoleiro (Acesa), uniu forças para afirmar a cultura afro-brasileira na universidade e na escola. Para tanto, o evento contou com oficinas, exibição de vídeos e apresentações culturais, além de palestras e, é claro, roda de capoeira.

A capoeira é jogada em círculo, ao som de instrumentos percussivos, como o berimbau e o pandeiro, e combina movimentos graciosos, porém certeiros. Entre as modalidades da capoeira, é comum a distinção entre Angola, que é a mais antiga e tem como precursor o Mestre Pastinha, e a Regional (ou esportiva), que é a mais comum e foi difundida por Mestre Bimba.

Caráter educativo
A contramestre de Capoeira Angola e doutora em Educação pela Universidade de São Paulo, Rosângela Costa Araújo (Mestra Janja), afirma que a capoeira permite o entendimento da educação a partir da vivência e pode formar cidadãos mais críticos e conscientes do corpo, da espiritualidade e da arte. Em 2004, Rosângela Costa defendeu a tese “Iê, viva meu mestre: a Capoeira Angola da ‘escola pastiniana’ como práxis educativa”. Durante o Seminário, ela apresentou os principais pontos da sua pesquisa.

Segundo ela, os três pilares que sustentam a capoeira Angola possuem caráter educativo. O primeiro é a ancestralidade; afinal, a capoeira é expressão de uma descendência africana e de uma resistência negra. Outro pilar é a oralidade, principal via de repasse do conhecimento do mestre para os discípulos. O último é a comunidade. O capoeirista, a partir da vivência em um grupo dotado de códigos de pertencimento e símbolos de identidade, desenvolve mais sensibilidade para se relacionar com o outro, com o diferente.

O mestre João, da Capoeira Angola da Acesa, acredita que a cadeira de capoeira deveria ser obrigatória pelo menos no curso de Educação Física e também que “é preciso levar a escola lá no terreiro para enxergar outros valores, outras inteligências como a musical e a emocional”. No entanto, a forma como a cultura afro-brasileira deve ser inserida no sistema formal de ensino é mais uma polêmica.

Obrigatório por lei
A Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade (Secad), do Ministério da Educação, vem realizando fóruns de discussão para planejar a implementação da Lei nº 10.639/03, de 2003, que torna obrigatório o ensino da cultura e história afro-brasileira nos ensinos fundamental e médio, nas disciplinas Educação Artística, Literatura e História Brasileira. Contudo, segundo Mestre João, esses debates estão sendo realizados, muitas vezes, sem a participação dos mestres populares.

Rosângela Costa , a Mestra Janja, diz que “a lei n° 10.639/03 foi uma conquista do movimento negro e sua implementação está posta como um grande desafio”. Conta ainda que, para inserir a cultura afro-brasileira no ensino escolar, pensou-se uma série de caminhos, como, por exemplo, a capacitação dos professores, um trabalho transdisciplinar ou a instituição de uma disciplina. No entanto, tudo ainda está sendo debatido.

Texto: Flávia Ayer
FaE

Tech Tags:

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s