Portugal Deve Pedir Adiamento da Reforma Ortográfica

Postado em Atualizado em

O governo de Portugal deve pedir aos outros sete países de língua portuguesa que a reforma ortográfica, que pretende unificar a escrita do português, seja adiada em dez anos.

A decisão foi divulgada pela ministra da Cultura de Portugal, Isabel Pires de Lima, durante uma sessão de perguntas e respostas no Parlamento, na terça-feira.

Segundo Maria do Céu Novais, assessora de imprensa da ministra, “este foi o período considerado mais adequado pelo Ministério da Cultura e pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros. A proposta de moratória deverá ser apresentada aos outros países no momento certo”.

O Ministério da Cultura afirma que o processo de modificação e ratificação do acordo da reforma ortográfica está nas mãos do Ministério dos Negócios Estrangeiros.

A assessoria de imprensa desse Ministério foi consultada pela BBC Brasil e ainda não respondeu sobre quando o acordo será levado ao Parlamento português.

Críticas

O acordo vinha sendo atacado por setores ligados ao mercado editorial português, que não quer mudar seus arquivos. Além disso, a proposta de adotar a reforma ortográfica no ano seguinte à assinatura do acordo contraria a lei portuguesa que prevê que os livros escolares durem quatro anos.

Com a aprovação do tratado por parte de São Tomé e Príncipe, o número de países que vão adotar as modificações chegou a três – os outros são Brasil e Cabo Verde –, o que garante a sua validade.

Como o tratado prevê que, antes da entrada em vigor da reforma, é preciso que se chegue a uma ortografia comum para as palavras nos países participantes, um cronograma mais apressado pode fazer com que aqueles que ainda não assinaram o tratado fiquem de fora.

Assinado em 1990 com o objetivo de passar a vigorar em 1994, o acordo ortográfico teve um protocolo que o modificou em 1998 – que prevê que bastam três países para que ele entre em vigor, e não os sete iniciais (Timor Leste ainda era controlado pela Indonésia).

O tratado deverá modificar 0,48% das palavras atualmente usadas no português do Brasil e 1,42% das que são utilizadas em Portugal.

Como exemplos das mudanças, os brasileiros deixarão de colocar acentos em “idéia” e “assembléia” e ficarão sem o trema. Os portugueses perdem o c não pronunciado em “acto” e o “p” não pronunciado em “Egipto” ou “óptimo”.

As regras para a utilização do hífen serão unificadas, e ficarão consagradas algumas diferenças: os portugueses passam a tirar o “p” que não pronunciam de “recepção” e mantém o c em “facto” – fato em Portugal significa roupa.

Fonte: BBCBrasil

Anúncios

2 comentários em “Portugal Deve Pedir Adiamento da Reforma Ortográfica

    rui disse:
    11 fevereiro, 2008 às 9:23 pm

    Sempre a adiar, sempre a adiar…

    artimanha disse:
    10 março, 2008 às 5:38 am

    O “c” de facto lê-se, não é mudo. Facto e fato não se distinguem só pela escrita, mas também pelo modo como se lêem.

    Como distinguir acto (acção) de ato do verbo atar se o c cai? (este sim não se lê)
    Confesso que me faz alguma confusão essas alterações.
    Quais são as vantagens afinal?

    Gostei do blog vim cá parar através do Expresso do Oriente.
    Saudações

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s