Etimologia

Algumas Teorias sobre a Origem do Nome Brasil

Postado em Atualizado em

A origem do nome do país deu lugar a nada menos que onze hipóteses diferentes, que o filólogo brasileiro Adelino José da Silva Azevedo resumiu em uma só num livro publicado em 1967. Nele prova que se trata de uma voz de procedência celta, embora suas origens mais remotas possam ser rastreadas até os fenícios, que mantiveram um intenso comércio de um colorante vermelho, que se extraía de um mineral cujos principais fornecedores eram os celtas, povo mineiro que explorava jazidas da Ibéria até a Irlanda.pau brasil

Os gregos sucederam aos fenícios no comércio deste produto, a que chamavam ‘kinnabar’, e que passou ao latim como ‘cinnabar’, ao português como cinábrio e ao espanhol como ‘cinabrio’. Uma das características das línguas celtas é a inversão de partículas; assim, a ‘kinnabar’ chamaram ‘barkino’, que daria lugar ao espanhol ‘barcino’, adjetivo que se aplica a certos animais de pele avermelhada e que, com variantes, passou a designar a cor vermelha em várias línguas de influência celta.

Na Idade Média, os artesãos começaram a usar um colorante vermelho extraído da madeira, que na Toscana se chamou ‘verzino’; em Veneza, ‘berzi’ e em Gênova, ‘brazi’, nome que logo designou também a madeira de onde se extraia, conhecida na Espanha como ‘palo Brasil’ ou ‘palo de Fernambuco’, e em Portugal como pau-brasil.
Na época dos descobrimentos, os portugueses guardavam cuidadosamente o segredo de tudo o que achavam e conquistavam, a fim de explorá-lo vantajosamente. Mas não tardou a correr na Europa que haviam descoberto uma certa ‘ilha Brazil’, de onde extraiam o pau-brasil. O gentilício ‘brasileiro’, surgido no século XVI,  inicialmente se referiu aos que comerciavam aquela madeira e, mais tarde, aos portugueses que chegavam ao Brasil em busca de fortuna.

Fonte: Palavra do Dia

Anúncios

Super Apostilas para o Vestibulando

Postado em Atualizado em

universidade estadual amazonas
Aqui vai uma dica muito legal. A Universidade do Estado do Amazonas disponibiliza via internet a todos os interessados em prestar o Vestibular uma serie de apostilas para o estudante. Trata de diversos temas. Aqui deixo pra vocês o exemplar ano v nº 01.
aprovar
Para conseguir a apostila completa escolha a opção:
Não se esqueça de visitar o saite do Aprovar. As edições anteriores também são disponíveis. Entra aqui

História das Palavras

Postado em Atualizado em

31- Xerox não é, como se poderia pensar, o sobrenome do seu inventor. Na verdade, as cópias xerográficas foram inventadas por uma dupla de físicos, Chester Karlson e Otto Kornei, em 1948. O termo vem do grego Kserós, que significa seco. Diferentemente dos processos fotográficos até então convencionais, a xerografia não usa líquidos de revelação. (Fonte: A Casa da Mãe Joana, de Reinaldo Pimenta).

32- A expressão “Eureca!” deveria ser escrita “Heureca!”, segundo os dicionários Aurélio e Houaiss que, no entanto, consideram ambas as grafias corretas. Em outras línguas, a expressão de alegria supostamente usada por Arquimedes ao descobrir a lei do empuxo é escrita com “H” no início e “k” na última sílaba, já que vem do verbo heurisko (“achar ou descobrir, em grego). Heureca é uma conjugação desse verbo, mais precisamente a 1a. pessoa singular do pretérito. Literalmente, portanto, significa “Achei!” ou “Descobri!”.

33- A etimologia de algumas palavras pode nos enganar. A palavra palmatória, significando o instrumento de punição tão temido nas salas de aula de antigamente, não vem de “palma” da mão, como se poderia esperar. Palmatoria é palmeira em latim. Dessa árvore fazia-se a palmatoria ferula, ou varinha de palmeira, com que também se aplicavam castigos físicos.

34- A palavra “pederasta” nem sempre teve uma conotação negativa. De paidós (criança, em grego) e erastés (apaixonado), originalmente denotava a relação afetuosa entre mestre e aluno, marcada pela admiração.

35- A palavra “quadro negro” é duplamente equivocada. Primeiro, porque poucos quadros ainda são negros; segundo, porque “quadru”, em latim, significa quadrado, e a maioria dos quadros (verdes, brancos) usados nas escolas são, de fato, retangulares.

História das Palavras

Postado em Atualizado em

21- A palavra grega que originou o atualíssimo termo “clone” significa broto. Biologicamente falando, clone é a cópia idêntica de um ser vivo produzida artificial e assexuadamente. A prática da clonagem, entretanto, não é nova; já nos anos 50 os embriologistas conseguiram clonar sapos adultos a partir de uma única célula.

22- Túlipa ou tulipa são as duas pronúncias possíveis em português do nome da flor, conforme se aproxime a palavra do inglês tulip ou do francês tulipe. Porém, são o italiano tulipano (m.) e o castelhano tulipán (m.), os nomes que estão mais perto da sua etimologia, tülbend, a palavra turca para turbante. De fato, as túlipas têm a forma de um turbante invertido, e daí o seu nome. A tulipa foi trazida da Pérsia para a Holanda, em 1593, pelo botânico francês Charles de l’Ecluse conhecido sob o nome de Carolus Clusius. (Fonte: prof. Arlindo Correia).

etimologia

Leia o resto deste post »

História das Palavras

Postado em Atualizado em

16- A palavra “gringo”, para desigar cidadãos dos Estados Unidos, provavelmente se originou da cor verde dos uniformes americanos durante a guerra contra o México. Seria uma modificação uma dessas duas possibilidades: “Green, go” (Verdes, vão embora) ou “green coat” (os homens de) casaco verde. Segundo a Encyclopedia of Word and Phrase Origins, de Robert Hendrickson, a palavra pode ainda ter se originado de uma música cantada pelos americanos durante essa mesma guerra que começaria pelo verso “Green grow the rashes O”. Finalmente, havia ainda um major americano de nome “Ringgold”, que se parece com a pronúncia de gringo sem o “g”. em algumas regiões do Brasil, “gringo” também se aplica a estrangeiros de outras nacionalidades além da americana, ou mesmo a pessoas de pele muito clara.

17- Alguns termos científicos têm origens bem pouco científicas. A palavra “bactéria”, por exemplo, vem de backterion, que é o diminuitivo em grego de baktron, galho. Ao observar pela primeira vez as bactérias no microscópio, aproximadamente em 1847, os cientistas acharam-nas muito parecidas com galhinhos, e resolveram batizá-las de acordo.

18- As garrafas plásticas recicláveis de refrigerantes são chamadas garrafas PET. Esse termo, apesar de ter se originado do inglês, nada tem a ver com “pet” no sentido de animal de estimação. PET é uma sigla para Poly Ethylene Terephthlate ou, em português, politereftalato de etileno. Explicou-me o prof. Marcos L. Dias que um polímero é um material formado de moléculas muito grandes, que tem na sua estrutura química unidades que se repetem (poli=muitos e mero=partes). Os plásticos, borrachas e fibras sintéticas (as chamadas fibras de poliéster) são polímeros.

19- O termo graffiti é o plural de graffito, que, em italiano, significa rabisco. Os primeiros a utilizar a palavra no sentido que é conhecido internacionalmente foram os arqueólogos, no século XIX, para designar as inscrições e desenhos realizados nas paredes, muralhas e monumentos das antigas cidades.

20- Chá, em inglês, é tea, certo? Não necessariamente. Na Inglaterra, a palavra chá também existe e é usada, às vezes como um “r”a mais (char). Tanto chá quanto tea originaram-se na China, mas a partir de línguas diferentes do país. Chá veio do mandarin (ch’a) e tea veio de um dialeto do chinês (t’e). O Mandarin é falado principalmente no norte da china e pelas pessoas mais educadas do país.

História das Palavras

Postado em Atualizado em

11- A palavra absurdo, cognata em muitas línguas, é um termo que veio da música. O seu orifginal em latim significava “fora do tom ou de harmonia”. Foram os romanos os responsáveis por começar a usar a palavra com o sentido figurativo que conhecemos hoje.

12- A palavra “adolescente” vem do particípio presente do verbo em latim adolescere, crescer. Já o particípio passado, adultus deu origem à palavra “adulto”. Em português, as palavras seriam equivalentes a “crescente”e “crescido”, respectivamente. Apesar de consideramos a fase da adolescência uma “invenção sociológica” relativamente recente, a palavra adolescente é cerca de cem anos mais antiga do que a palavra adulto. (Fonte: Word and Phrase Origins, de Robert Hendrickson)

13- Para os surdos congênitos, a língua de sinais (no caso do Brasil, Libras), é considerada a sua língua natural. Como a sintaxe da comunicação gestual é bastante diferente da língua falada, o aprendizado do português, mesmo na sua forma escrita, apresenta tantas dificuldades quanto o aprendizado de qualquer outra língua estrangeira.

14- De acordo com a Bíblia, em Gênesis, no princípio todos os homens da terra falavam a mesma língua. Os habitantes da cidade de Babel, entretanto, teriam decidido construir uma torre até o céu, o que atraiu a ira de Deus. Como punição, Ele confundiu a língua de todos, criando os vários idiomas que nós conhecemos hoje. Babel e Babilônia são a mesma cidade.

15- A palavra Laser é uma sigla que significa Light Amplification by Stimulated Emission of Radiation. Se a sigla existisse em português, seria ALEER (Amplificação da Luz por Emissão Estimulada da Radiação).

Dia das Bruxas

Postado em Atualizado em

O Halloween nome original na língua inglesa, é um evento de cariz tradicional, que ocorre nos países anglosaxónicos, com especial relevância na Irlanda, Estados Unidos, Canadá e Reino Unido, tendo como base e origem, as celebrações pagãs dos antigos povos celtas.

História

A origem do halloween remonta às tradições dos povos que habitaram a actual ilha da Irlanda, Gália e as ilhas britânicas entre os anos 600 a.C. e 800 d.C., embora com marcadas diferenças em relação às actuais abóboras ou da famosa frase “Doces ou Surpresas”, exportada pelos Estados Unidos, que popularizaram a comemoração.

Originalmente, o halloween não tinha relação com bruxas. Era um festival do calendário celta da Irlanda, o festival de Samhain, celebrado entre 30 de Outubro e 2 de Novembro e marcava o fim do verão (samhain significa literalmente “fim do verão” na língua celta).

O fim do verão era considerado como ano novo para os celtas. Era pois uma data sagrada uma vez que, durante este período, os celtas consideravam que o “véu” entre o mundo material e o mundo dos mortos (ancestrais) e dos deuses (mundo divino) ficava mais ténue.

O Samhain era comemorado por volta do dia 1 de Novembro, com alegria e homenagens aos que já partiram e aos deuses. Para os celtas, os deuses também eram seus ancestrais, os primeiros de toda árvore genealógica.

Etimologia

Uma vez que entre o pôr-do-sol do dia 31 de Outubro e 1 de Novembro, ocorria a noite sagrada (hallow evening, em inglês) acredita-se que assim se deu origem ao nome actual da festa: Hallow Evening -> Hallowe’en -> Halloween. Rapidamente se conclui que o termo “Dia das Bruxas” não é utilizado pelos povos de língua inglesa, sendo esta uma designação apenas dos povos de língua oficial portuguesa.

A relação da comemoração desta data com as bruxas propriamente ditas, terá começado na Idade Média no seguimento das perseguições incitadas por líderes políticos e religiosos, sendo conduzidos julgamentos pela Inquisição, com o intuito de condenar os homens ou mulheres que fossem considerados curandeiros e/ou pagãos. Todos os que fossem alvo de tal suspeita eram designados por bruxos ou bruxas, com elevado sentido negativo e pejorativo, devendo ser julgados pelo tribunal do Santo Ofício e, na maioria das vezes, queimados na fogueira nos designados autos-de-fé.

Essa designação se perpetuou e a comemoração do halloween, levada até aos Estados Unidos pelos emigrantes irlandeses (povo de etnia e cultura celta) no Século XIX, ficou assim conhecida como “dia das Bruxas”.

fonte: Wikipédia